Graças Fragrantes, por C. H. Spurgeon

|

Graças Fragrantes, Sermão Nº 3480. Um sermão publicado na quinta-feira, 7 de outubro de 1915. Pregado por C. H. Spurgeon, no Tabernáculo Metropolitano.

 

“Enquanto o rei está assentado à sua mesa, o meu nardo exala o seu perfume.” (Cânticos 1:12)

 

Esta passagem pode ser lida de várias maneiras. Literalmente, quando Cristo se apresentou entre os homens, quando Ele comeu e bebeu com eles, sendo encontrado em forma de homem, o Espírito de amor quebrou o vaso de alabastro de óleo precioso sobre a cabeça, enquanto o Rei estava sentado à Sua mesa. Três vezes a Igreja, portanto, unge o seu Senhor, uma vez em Sua cabeça e duas vezes Seus pés, como se ela se lembrasse de Seu tríplice ofício e da tripla unção que Ele havia recebido de Deus Pai para confirmá-lO e fortalecê-lO. Então ela lhe rendeu a uma tripla unção de seu amor agradecido, quebrando o vaso de alabastro e derramando o óleo precioso sobre Sua cabeça e Seus e pés. Amados, imitemos o exemplo daqueles que existiram antes. Embora nós não podemos, com o choro penitente, lavar Seus pés com as nossas lágrimas, ou enxugá-los com os cabelos da nossa cabeça, como aquela mulher graciosa, nós não perdemos nada, em razoáveis adornos, ou dotes afetuosos, se apenas servirmos em Sua causa ou honramos a Sua Pessoa. Estejamos dispostos a “derramar desprezo sobre todo o nosso orgulho”, e “pregar a nossa glória em Sua cruz”. Tem alguma coisa hoje à noite que é cara para você? Renuncie a isto por Ele! Há algo precioso como um vaso de alabastro escondido? Dê-o para o Rei! Ele é digno e quando você tiver comunhão com Ele à Sua mesa, deixe seus dons serem trazidos à luz. Ofereça, ao Rei ações de graças e pague seus votos ao Altíssimo. Mas o rei se foi da terra. Ele está sentado à Sua mesa no céu, comendo pão no reino de Deus.

 

Rodeado agora não por publicanos e meretrizes, mas por querubins e serafins, não zombado pelas multidões, mas adorado por exércitos, o Rei se senta à Sua mesa e alegra a companhia gloriosa dos fiéis — a Igreja do Primogênito, cujos nomes estão escritos no Céu! Ele lutou antes que Ele pudesse descansar. Na terra Ele lutou com os Seus inimigos e não foi até que Ele houvesse triunfado sobre tudo, e Ele sentou-se à mesa no Alto! Lá se assenta, Tu Rei dos reis, ali está sentado até que o Seu último inimigo será posto por Seu escabelo! O que podemos fazer, irmãos e irmãs, enquanto Cristo está sentado à mesa acima? Estas mãos não podem alcançá-lO. Estes olhos não podem vê-lO. Mas as nossas orações, como doce perfume, queimando aqui na terra, podem subir em fumaça para o lugar onde o Rei está sentado à Sua mesa, e nosso nardo pode exalar um perfume no próprio Céu! Você quer achegar-se a Cristo? Suas orações podem fazê-lo! Você O adora agora? Você já apresentou o seu amor? Com oração e louvor misturados, como a oferta da manhã e o sacrifício da tarde, seu incenso pode chegar aceitavelmente diante do Senhor!

 

E, irmãos e irmãs, o dia está chegando quando o Rei se sentará em Sua mesa em estado real. Eis, Ele vem! Eis, Ele vem! Que a Igreja nunca se esqueça disso. O primeiro Advento é a sua fé, o segundo Advento é a sua esperança. O primeiro Advento com a cruz estabelece as bases, o segundo Advento com a coroa traz a pedra superior. O primeiro foi anunciado com suspiros, este último deve ser aclamado com brados de: “Graça, graça a ele” e quando o Rei, manifesto e conhecido em Sua soberania sobre todas as terras, se sentará à Sua mesa com a Sua Igreja, então, nesse abençoado milênio, as graças dos Cristãos exalarão os seus odores em cheiro suave!

 

Lemos, assim, o texto de três maneiras, e existe um volume em cada uma delas, mas nós viramos outra página, por que precisamos lê-lo em relação à presença espiritual de Cristo como Ele, agora, revela a Si mesmo para o Seu povo. “Enquanto o rei está assentado à sua mesa”, ou seja, quando nós desfrutamos da presença de Cristo, “o meu nardo exala o seu perfume”. Então, nossas graças estão em exercício ativo e produzem um perfume agradável para nossa própria alma e aceitável diante de Deus.

 

No trem da reflexão, tentarei agora seguir. Minha maneira deve ser apressada e deve parecer fraca, irmãos e irmãs, eu não posso ajudá-los. Se você receber a comunhão com Cristo, pouco importará os méritos do meu sermão, ou os perigos de seu criticismo. Uma coisa, somente, eu imploro, “Beija-nos com os beijos da Sua boca”, então a minha alma estará bem contente, e assim a sua estará também! A primeira observação que fazemos deve ser esta:

 

 

I. CADA CRENTE POSSUI GRAÇA EM TODOS OS MOMENTOS.

 

O texto indica que, quando o Rei não estiver presente, o nardo não produz cheiro, mas o nardo está lá para tudo isso. A esposa fala de seu nardo como se ela o possuísse, e só precisava que o Rei viesse e se sentasse à mesa para fazer sua presença conhecida e sentida. Ah, bem, crente, há graça em seu coração, se você é um filho de Deus! Quando você não pode vê-lo por si mesmo, quando suas dúvidas encobrem todas as suas esperanças, que você diz, “eu estou expulso de Sua presença”; apesar de tudo isso, a graça pode estar lá. Quando o velho carvalho perde sua última folha pelo sopro das brisas de inverno, quando a seiva está congelada nas veias e não se pode — embora você procure no ramo extremo — encontrar tanto como o menor sinal de existência verdejante, ainda assim, a substância está na árvore, ainda que ela tenha perdido suas folhas.

 

E assim é com cada crente, embora sua seiva pareça congelada e sua vida quase morta, mas se foi uma vez implantada, está lá! A vida eterna está lá quando não pode descobri-la por si mesmo. Você sabe — se não, eu oro para que você nunca saiba experimentalmente — que há muitas coisas que impedem o nardo de um Cristão de ser derramado? Infelizmente, este é o nosso pecado! Ah, vergonhoso, cruel pecado, rouba o meu Mestre de Sua glória! Mas quando caímos no pecado, é claro, nossas graças tornam-se fracas e não produzem nenhuma fragrância para Deus. Ah, também existe a nossa incredulidade, que coloca uma pedra pesada sobre todas as nossas graças Divinas, e expulsam o calor que estava queimando o incenso, de modo que nenhuma fumaça do altar se eleva ao Céu. E, muitas vezes, pode ser a nossa amargura de espírito, pois quando a nossa mente está abatida, nós penduramos nossas harpas nos salgueiros de forma que elas não dão nenhuma doce música para Deus. E, acima de tudo, se Cristo está ausente, se por negligência ou por qualquer outro meio a nossa comunhão com Ele é suspensa, a graça está lá, mas, oh, ela não pode ser vista! Não há conforto surgindo dela. Mas amados, embora mencionemos isso para começarmos, vamos optar por passar adiante e observar que,

 

 

II. A GRAÇA NÃO É DADA A UM CRISTÃO PARA ESTAR, ASSIM, ESCONDIDA, MAS PRETENDE-SE QUE, COMO O NARDO PURO, ELA DEVERÁ ESTAR SEMPRE EM EXERCÍCIO.

 

Se eu entendo corretamente um Cristão, ele deve ser um homem prontamente discernido. Você não precisa escrever sobre uma caixa que contém nardo puro, com a tampa aberta, a palavra, “Nardo”. Você saberá que está lá, suas narinas lhe dirão. Se um homem encher seus bolsos com a poeira, ele poderia andar onde ele for, e embora ele deverá espalhar-se no ar, poucos notarão. Mas deixe-o ir para uma sala com os bolsos cheios de almíscar e deixe que caia uma partícula, ele logo é descoberto porque o almíscar fala por si só! Agora a verdadeira graça, como nardo ou qualquer outro perfume, deve falar por si. Você sabe que o nosso Salvador compara Cristãos a luzes. Há uma multidão de pessoas em pé ali – eu não posso ver aqueles que estão na sombra, mas há um homem cujo rosto eu posso ver bem, e este é o homem que segura a tocha. Suas chamas iluminam o rosto dele, para que possamos facilmente captar cada característica sua. Então, seja quem for que não seja descoberto, o Cristão deve ser óbvio de uma vez! “Você também estava com Jesus de Nazaré, pois a tua fala te trai”. O Cristão não deve somente ser perceptível, mas a graça foi dada a ele para que possa estar em exercício! O que é a fé, senão a que está acreditando? O que é o amor, a não ser o que está abraçando? O que é a paciência, a menos que seja duradoura? Para que finalidade existe o conhecimento, senão para revelar a verdade? Quais são algumas daquelas doces graças que o Mestre nos dá, a não ser que elas produzam o seu perfume? Temo que não contemplamos o suficiente aquele rosto coberto com o suor de sangue, pois se o fizéssemos, tão certo como o Rei estava, assim, em nossos pensamentos sentado à Sua mesa, nós seríamos mais parecidos com Ele, nós O amaríamos mais, nós viveríamos mais apaixonadamente para Ele e gastaríamos e seríamos gastos, para que pudéssemos promover a Sua glória. Acabei de observar este ponto e, em seguida, prosseguiremos; as graças dos crentes, como nardo puro, são destinadas a exalar o seu aroma. Mas aqui está o cerne de toda a nossa questão, embora tenhamos pouco tempo para permanecer nele:

 

 

III. A ÚNICA MANEIRA NA QUAL AS GRAÇAS DE UM CRISTÃO PODEM SER POSTAS EM EXERCÍCIO É QUE ELE ESTEJA NA PRESENÇA DO MESTRE.

 

Ele é chamado de “o Rei”. Disseram-me que a palavra hebraica é muito enfática, como se dissesse, “O Rei” — o Rei dos reis, o maior de todos os reis. Ele deve ser assim para nós, Mestre absoluto de nossos corações, Senhor do domínio de nossa alma, Aquele inigualável em nossa estimativa a quem prestamos obediência com entusiasmo. Devemos tê-lO como Rei, ou não teremos Sua Presença para reavivar nossas graças. E quando o rei comunga com o Seu povo, é dito estar em “sua mesa”, não na nossa. Especialmente isto pode aplicar-se à mesa da Comunhão. Não é a mesa dos Batistas. Não é a minha mesa. É Sua mesa porque se há alguma coisa boa sobre ela, lembre-se, é Ele que a espalha! Não, não há nada sobre a mesa, a menos que Ele mesmo esteja lá. Não há comida para o filho de Deus, a menos que o corpo de Cristo seja a carne, e o sangue de Cristo, o vinho. Nós devemos ter a Cristo! Deve ser enfaticamente Sua Mesa pelo Seu estar presente, pelo Seu espalhar, Seu presidir, ou então nós não temos a Sua presença em absoluto. Acho que a palavra hebraica aqui significa uma “mesa redonda”. Eu não sei se isso se destina ao que eu entendo por isso — talvez seja — isto me sugere uma igualdade abençoada com todos os Seus discípulos sentados à Sua mesa redonda, como se houvesse apenas uma cabeça, mas Ele era um deles, tão próxima comunhão com que Ele os mantêm sentados à mesa; tão querida a Sua comunhão, sentado como um deles, feito semelhante a Seus irmãos e irmãs em todas as coisas, à Sua mesa redonda.

 

Bem, agora, podemos dizer que quando Cristo vier para a ordenança da Ceia do Senhor, ou de qualquer outra ordenança, logo nossas graças são revigoradas. Quantas vezes temos resolvido que viveríamos mais perto de Cristo? No entanto, embora tenhamos resolvido, e re-resolvido, eu temo que tudo tenha terminado com a resolução. Talvez tenhamos orado sobre as nossas resoluções e por algum tempo as buscamos muito sinceramente, mas a nossa seriedade em breve expirou como qualquer outro fogo que é humanamente ateado, e nós não fizemos, senão pequeno progresso. Não te desanime, meu amado no Senhor! Eu digo a você, se você é capaz de acreditar ou não, que se o seu coração está noite está frio como o centro de um iceberg, mas se Cristo vier até você, sua alma será como brasas vivas de zimbro que têm uma mais veemente chama! Embora à sua própria apreensão você pareça estar morto como os ossos em um cemitério, mas se Jesus vem até você, você será imediatamente tão cheio de vida, como os serafins que são como chamas de fogo! Porque você acha que Ele não virá até você? Você não se lembra de como Ele o fez derreter quando pela primeira vez Ele manifestou a Si mesmo à sua alma? Você era tão vil, então, como você é agora. Você estava certamente tão arruinado, então, como você está agora! Você não tinha mais para merecer a Sua estima, então, do que você tem agora, você estava tão longe dEle, então, como você está agora — eu diria mesmo mais longe. Mas eis que Ele veio para você quando você não O buscava! Ele veio na soberania de Sua graça e na doçura da Sua misericórdia quando você O desprezou! Por que, então, Ele não viria até você agora?

 

Oh respire a oração, com ternura e esperança faça a oração: “Leva-me”, e em breve você encontrará energia para fazê-lo, e quando todas as suas paixões e poderes lhe faltarem, o Rei vai rapidamente trazê-lo para a Sua recamara! […]. Eu quero que vocês, irmãos e irmãs, creiam e esperem que possam ter nesta noite com Cristo, a mais rica, mais doce comunhão que jamais um mortal teve o privilégio de desfrutar, e isso subitamente! Eu sei das suas preocupações, esqueça-as! Eu sei dos seus pecados, traga-os aos Seus pés! Eu sei da vida vagueante de seu coração, peça a Ele para amarrar você à Sua cruz com as mesmas cordas que O prendiam ao pilar de Sua flagelação. Eu sei que o seu cérebro está perplexo e seus pensamentos voando aqui e ali, distraídos com muitos cuidados, coloque-os sobre a coroa de espinhos e deixe que seja o antídoto de todas as suas variadas inquietações! Eu acho que Jesus está colocando a Sua mão pela fresta da porta. O seu coração não está movido por Ele? Levante-se e receba-O! E, como o pão é partido e o vinho é derramado, venha, e coma e beba dEle, e não seja um estranho para Ele. “Não deixe a consciência fazer você demorar”. Vamos, não permita que as dúvidas e medos o impeçam de comunhão com Aquele que amou você antes que a Terra existisse, mas descanse a cabeça indigna no Seu seio bendito e fale com Ele, mesmo que as únicas palavras que você seja capaz de dizer sejam: “Senhor, porventura sou eu?”. Busque comunhão com Ele, como aquele que ignora cada pensamento, sentimento, ou fato além. Assim pode agradar a Deus manifestar-Se a você e a mim, como Ele não faz para o mundo.

 

Se você que nunca teve comunhão com Cristo acha que estou falando bobagens, eu não me admiro. Mas permita-me dizer-lhe, se você já conheceu o que a comunhão com Cristo significa, você poderia penhorar seus olhos, e trocar o seu braço direito, e dar as suas propriedades como ninharias por este favor impagável! Príncipes venderiam as suas coroas e seus companheiros renunciariam às suas dignidades por cinco minutos de comunhão com Cristo. Confirmarei isso. Por que, eu tive mais alegria em meu Senhor e Mestre no espaço do tique-taque de um relógio do que poderia ser amontoado em uma vida de prazeres sensuais, ou dos prazeres do paladar, ou dos fascínios da literatura! Há uma profundidade, uma profundidade incomparável, no amor de Jesus! Há uma doçura deleitosa na comunhão com Ele. Você deve comer, ou você nunca saberá o sabor disto. Oh, provai e vede que o Senhor é bom! Eis como Ele ainda está disposto a acolher os pecadores. Confie nEle e viva. Alimente-se dEle e cresça forte. Comungue com Ele e seja feliz. Que cada um de vocês que se senta à mesa tenha a aproximação mais achegada de Jesus do que você já teve! Como duas correntes que, depois que fluem lado a lado, por fim se unem, de modo que Cristo e a nossa alma se fundem em um, como Isis derrete no Tâmisa, até que apenas uma vida fluirá, de modo que a vida que vivemos na carne não deverá ser mais nossa, mas de Cristo que vive em nós! Amém.
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.