Textos

 

O que é Economia Austríaca?, por C. Jay Engel

 

Embora o termo “Economia Austríaca” tenha se tornado notavelmente mais conhecido desde a virada do milênio, a maioria das pessoas ainda fica perplexa quando o ouve. A que ele se exatamente? A primeira coisa a esclarecer é que a economia austríaca não tem relação com a política econômica da Áustria, como país. Como um economista na “tradição austríaca” observou, a política econômica de Viena pode ser interessante, mas não é a isso que estamos nos referindo.

A Escola Austríaca de Economia refere-se a uma certa “escola de pensamento” relativa à teoria econômica que tem as suas raízes nos teóricos de economia que saíram da Áustria no final do século XI e início do XX. Daí o nome. Existem muitas escolas de pensamento econômico: há economistas clássicos, economistas neoclássicos, marxistas, keynesianos, os economistas da Escola de Chicago (muitos dos quais se transformaram nos modernos monetaristas) e várias outras subcategorias e ramificações. Há também alguma sobreposição. O ponto é que a economia austríaca é uma escola específica de pensamento que oferece uma visão alternativa em comparação com muitas outras abordagens.

O primeiro pensador econômico na “tradição austríaca” foi Carl Menger. Ele foi uma figura importante no que hoje é chamado de “Revolução Marginalista” [Marginalist Revolution]. Isto refere-se à ideia inovadora que o valor — valor econômico — não é intrínseco ao próprio bem econômico, mas sim, é um julgamento subjetivo de cada indivíduo na sociedade. O indivíduo valoriza algo na medida em que é bom e satisfaz os seus objetivos. Se alguém está com muita fome, um sanduíche tem mais valor do que o dinheiro pago (digamos, 5 reais) pelo sanduíche. Mas o sanduíche nem sempre é mais valioso para a pessoa do que os 5 reais. Às vezes, o indivíduo pode estar sem fome; e assim, quando tiver a oportunidade de negociar seus 5 reais pelo sanduíche, ele considerará ter mais valor não gastar os seus 5 reais. O valor, portanto, depende do julgamento de cada pessoa, conforme o seu contexto e momento específico no tempo. Esta ideia de “subjetivismo” no valor é a base das relações econômicas.

Veja mais

TEMAS

AUTORES

ARQUIVOS

INSCREVA PARA RECEBER
NOSSAS ATUALIZAÇÕES: