Textos

 

Novo Nascimento, por George Whitefield

 

“Se alguém está em Cristo, é uma nova criatura.” (2 Coríntios 5:17)


A doutrina da nossa regeneração ou novo nascimento em Cristo Jesus, embora uma das mais fundamentais da nossa santa religião, embora tão claramente e tantas vezes afirmada nos escritos sagrados, “de modo que até aquele que corre possa ler”, e seja como uma dobradiça na qual a salvação de cada um de nós está firme e se move, e um ponto também em que todos os Cristãos sinceros, de todas as denominações, concordam; ainda assim, é tão pouco considerada e compreendida por experiência pela maioria dos que a professam; de forma que se fôssemos julgar a veracidade disto, pela experiência da maioria dos que se dizem Cristãos, estaríamos aptos a imaginar que “não tinham ouvido tanto” que houvesse algo como a regeneração. É verdade que os homens, em sua maioria, são ortodoxos nos artigos comuns de seu credo; eles creem que “há um só Deus e um só Mediador entre Deus e os homens, o homem Jesus Cristo”, e que não há outro nome dado debaixo do céu mediante o qual eles possam ser salvos, além dEle. Mas, então diga-lhes que eles devem ser regenerados, que eles devem nascer de novo, que eles devem ser renovados no próprio espírito, nas faculdades mais íntimas de suas mentes, antes que possam realmente chamar a Cristo de “Senhor, Senhor”, ou tenham uma evidência de qualquer participação nos méritos de Seu precioso sangue; e eles estão prontos para dizer como Nicodemos: “Como pode ser isso?”, ou como os atenienses, em outra ocasião, “Que quer este falador dizer? Parece ser um pregador de doutrinas estranhas”, porque nós lhes pregamos a Cristo, e o novo nascimento. Que eu possa, portanto, contribuir no sentido de sanar o erro fatal de tais pessoas, que separaram o que Deus uniu, e em vão pensam que são justificados em Cristo, ou que têm seus pecados perdoados, e Sua perfeita obediência imputada a eles, quando eles não são santificados, sua natureza não mudou, e não foi feita santa, buscarei explicar as palavras do texto da seguinte maneira:

PRIMEIRO, devo esforçar-me para explicar o significado de estar em Cristo: “Se alguém está em Cristo”.

EM SEGUNDO LUGAR, o que devemos entender por ser uma nova criatura: “Se alguém está em Cristo, é nova criatura”.

EM TERCEIRO LUGAR, apresentarei alguns argumentos para confirmar a afirmação do apóstolo. E

EM QUARTO LUGAR, extrairei algumas conclusões do que foi falado, e concluirei com algumas palavras de exortação...

Veja mais

A Natureza e a Necessidade da Nova Criatura, por John Flavel

 

[Capítulo 25 de Livro Method of Grace in the Gospel Redemption • Editado]

“Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo.” (2 Coríntios 5:17)


Você já viu uma prova de uma participação em Cristo, em nosso último discurso, ou seja, pela doação do Espírito. Temos aqui outro assunto da mesma matéria, de um dos maiores e mais nobres efeitos do Espírito sobre nossas almas; ou seja, Sua obra de regeneração ou nova criação: “Se alguém está em Cristo, nova criatura é”. O escopo do apóstolo no contexto imediato é dissuadir os Cristãos de uma parcialidade carnal e pecaminosa em seus aspectos para com os homens: Não despreze-os, segundo a maneira do mundo, de acordo com as diferenças externas, mas atente para o valor real interno e excelência que está nos homens. O apóstolo insta por meio dois argumentos; O primeiro tirado da finalidade da morte de Cristo (v. 15), que era para retirar aqueles planos egoístas e objetivos carnais pelos quais o mundo inteiro está seduzido. O segundo, extraído do novo espírito, pelo qual os crentes são impulsionados, os que estão em Cristo devem julgar e medir todas as coisas por uma nova regra: “se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram”. Outrora nós possuíamos aquele espírito vil, egoísta do mundo que era totalmente governado pelos interesses carnais; devemos agora julgar por uma nova regra, pois sermos movidos por um novo princípio, visamos um novo e mais nobre fim; “eis que tudo se fez novo”. Com estas palavras, temos três partes gerais, a serem consideradas distintamente, a saber:
 

Veja mais

TEMAS

AUTORES

ARQUIVOS

INSCREVA PARA RECEBER
NOSSAS ATUALIZAÇÕES: