Textos

 

Batismo de Crentes Por Imersão: Um Distintivo Neotestamentário e Batista, por William R. Downing

 

Nossa igreja é padronizada pelo Novo Testamento em fé e prática. Nós permanecemos na verdade bíblica e histórica de nossos antecessores espirituais. Nós praticamos a ordenança do Batismo conforme o padrão do Novo Testamento com relação aos sujeitos: crentes, e modo: imersão. Este artigo é apresentado como uma explicação de nossa crença e prática.

 

Batismo, Uma Ordenança — Não Um Sacramento

 

O termo “ordenança” (do Latim ordinare, colocar em ordem) denota algo ordenado, decretado ou comandado. Na “Grande Comissão”, o Senhor declarou: “...Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado...” (Mateus 28:20). Todos os comandos do Senhor à Sua igreja são uma “ordenança” em princípio. A primária e central ordenança do Evangelho é a pregação. Histórica e teologicamente, Batistas têm distinguido entre as “ordenanças” do Batismo e da Ceia do Senhor e os “sacramentos” dos Romanistas ou Protestantes, ou seja, aqueles ritos que se destinam a ser um meio de graça em algum sentido místico [1]. Histórica e teologicamente, portanto, o termo “ordenança” distingue o Batismo e a Ceia do Senhor como sendo apenas simbólicos e representativos em natureza e os considera como meios de graça somente na medida em que levam a mente e o coração a se fixarem sobre a realidade espiritual, assim, simbolizada. O termo não pressupõe nenhum significado místico qualquer.
 

Veja mais

Teologia Pactual e Dispensacionalismo: Uma Discussão dos Principais Assuntos Envolvidos, por William R. Downing

 

[PIRSpective • The Theological Newsletter of the Pacific Institute for Religious Studies • Abril 2013]

 

Todo Cristão, estudante da Bíblia, professor da Bíblia, estudioso da Bíblia, e pregador se aproxima das Escrituras a partir de seus pressupostos hermenêuticos. Estes podem ser corretos ou incorretos, misturados com uma determinada quantidade de erro, desenvolvidos por meio de estudo pessoal, herdados através da tradição religiosa, recebidos através da instrução religiosa formal ou informal, uma educação no seminário ou adquiridos através da leitura de uma determinada “Bíblia de Estudo”. Todos os crentes têm a mesma Bíblia, mas muitas vezes têm diferentes abordagens para a sua interpretação. Toda a verdade, mesmo a verdade de Deus, é necessariamente interpretada de acordo com os pressupostos de alguém. Este artigo discute dois dos enfoques hermenêuticos gerais e as principais questões envolvidas. Houve, desde o início do século XX e do advento do ensino Dispensacionalista, duas abordagens gerais, e diferentes entre si, para a interpretação bíblica dentro do Cristianismo Reformado e Evangélico e entre os Batistas: Teologia Pactual e Dispensacionalismo.
 

Veja mais

TEMAS

AUTORES

ARQUIVOS

INSCREVA PARA RECEBER
NOSSAS ATUALIZAÇÕES: